quarta-feira, 8 de abril de 2015

A glamurosa vida da classe C - As rosquinhas

Andar de trem já é uma maravilha, de manhã então... rumo a Central do Brasil...Uhhh!!!
Minha irmã passa por isso diariamente e, como a simplicidade da vida é que a torna engraçada, tem sempre um "causo" para contar. O último foi o das rosquinhas.

Na estação de Ramos, entra um grupo de amigas. Uma delas conta indignada o ocorrido, no dia anterior, no consultório médico, em alto e bom tom.
Minha irmã fica só de "butuca" na conversa, a fim de apurar o motivo de tamanha revolta. Após ouvir toda explanação, compreende e se compadece da iludida moça.
De acordo com o entendimento da minha irmã, a moça tinha uma consulta agendada de manhã cedo. 
Sabemos que suburbano se quiser chegar cedo a Zona Sul da cidade do Rio, tem que acordar cedíssimo e sair antes do galo cantar. Pois bem, assim a jovem fez, saiu sem café e decidiu comprar rosquinhas, vendidas geralmente dentro dos vagões do trem. Em seus planos estava "filar" o cafezinho no consultório médico e, assim, teria o café da manhã completo, gastando pouco.


A fome foi aumentando...
Após longa viagem, toda faceira chega à clínica, passa pela recepção e ansiosa começa a procurar pela garrafa de café. 
Os olhos vagam por cada cantinho da sala e nada, decide se encaminhar a recepcionista e fazer a pergunta fatídica: "onde está a garrafa de café?"
Imediatamente, ouve que não há café e que somente água é disponibilizada para os pacientes.
Sua ira toma o seu ser. Xinga, esperneia, resmunga...tudo em vão. Logo, a fome aperta e o que lhe resta é se contentar em comer suas rosquinhas com água, para não entalar.
Esses médicos insensíveis... nem pra corresponderem as expectativas de seus pacientes com um simples cafezinho... rsrsrs.

Bjks e até a próxima!