terça-feira, 20 de maio de 2014

Fugacidade das relações...o que a motiva?

Muito tem se falado na mídia sobre duração relâmpago dos romances atuais e as traições, as quais ganharam um novo perfil ao se tornarem virtuais.
O que explica essa fugacidade das relações humanas? Será a nossa ansiedade de vivenciar o futuro?  E nessa busca insana, acabamos negligenciando o presente, o qual escorre por nossos dedos, e quando tomamos consciência, perdemos momentos únicos com as pessoas que amamos.
Será a carência gerada pela frieza e distância dos meios virtuais, favorecendo o apego a qualquer um por apresentar uma afinidade ou apenas por satisfazer sexualmente? Muitos se sentem tão desesperados em estabelecer um contato de pele, que chega a desconhecer a diferença entre o verdadeiro amor, o qual não cobra e respeita ; pela cegueira da paixão obsessiva, a qual não vê limites para se chegar ao ser adorado, podendo desenvolver até uma patologia.
Será que estamos trazendo a dinâmica capitalista e neoliberal para a vida afetiva? Ou seja, desejamos apenas consumir o que o outro tem de melhor para nos oferecer; usamos e abusamos e sem pensarmos nas consequências, pois o que interessa é alimentar o nosso ego, de modo egoísta.
Ouvimos falar dos avanços tecnológicos, da evolução científica, mas cadê a evolução humana?  Será essa, a qual presenciamos atualmente? Onde o ser humano pretende chegar com relações superficiais e medíocres? Será que acredita verdadeiramente que não sofrerá, causando sofrimento alheio?
Essas são só algumas de minhas indagações ao observar o caos das relações humanas.

Bjks, meninas!!!